January 16, 2008

Quando sonhamos com nossa identidade, devemos pensar que temos partículas que nasceram no despertar do universo. Temos átomos de carbono que se formaram em sóis anteriores ao nosso, pelo encontro de três núcleos de hélio que se constituíram em moléculas e neuromoléculas na terra. Somos todos filhos do cosmos, mas nos transformamos em estranhos através de nosso conhecimento e de nossa cultura. Portanto, é preciso ensinar a unidade dos três destinos, porque somos indivíduos, mas como indivíduos somos, cada um, um fragmento da sociedade e da espécie Homo sapiens, à qual pertencemos. E o importante é que somos uma parte da sociedade, uma parte da espécie, seres desenvolvidos sem os quais a sociedade não existe. A sociedade só vive com essas interações.
Edgar Morin

3 comments:

Anonymous said...

Somos todos filhos das estrelas.
:-)

Kelly Cândido said...

sou filha da minha mãe, que é, relamente, uma estrela.rs!
Como todos são filhos de suas mães temos isso em comum e por isso fazemos parte de uma unidade e de uma coletividade...

A propósito, quem é vc?

Anonymous said...

Conheci-a através do blog da Roberta.
E responder à sua pergunta não é fácil! Quem sou eu? Boa pergunta! Vou ficar a pensar nisso uns tempos. Se bem que os gregos antigos já o fizeram! Conhece-te a ti próprio! Era uma máxima de uma corrente filosófica.
Bem, mas estou a complicar. Chamo-me Rafael e já nos conhecemos de outras paragens. Lembra-se? :-)
Gosto muito de ler o seu blog.