October 6, 2006

TEMPO REI

Eu vivo constantemente atordoada pelo tempo. Vivo a senasação do tempo descontínuo ao mesmo tempo initerrupto, lento, rápido, flecha, contradição.

(Gilberto Gil)

Não me iludo, tudo permanecerá do jeito que tem sido
Transcorrendo, transformando
Tempo e espaço navegando todos os sentidos

Pães de Açúcar, corcovados
Fustigados pela chuva e pelo eterno vento
Água mole, pedra dura
Tanto bate que não restará nem pensamento
Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei
Transformai as velhas formas do viver
Ensinai-me, ó, pai, o que eu ainda não sei

Mãe Senhora do Perpétuo, socorrei
Pensamento, mesmo o fundamento singular do ser humano
De um momento para o outro Poderá não mais fundar nem gregos nem baianos
Mães zelosas, pais corujas


Vejam como as águas de repente ficam sujas
Não se iludam, não me iludo
Tudo agora mesmo pode estar por um segundo

Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei
Transformai as velhas formas do viver
Ensinai-me, ó, pai, o que eu ainda não sei
Mãe Senhora do Perpétuo, socorrei

3 comments:

Anonymous said...

escutei uma música e lembrei de você...diz:
Todo tempo é suave
Bjin!
Roberta

Solzinho said...

ae miga, essa musica é muito interessante... cada vez que a escuto percebo algo de novo...
quero ver as discussoes em sala
beijoks

Anonymous said...

Desculpa! Parabéns! Desculpa! Parabéns! Felicidades! muito amor!
Bjin!
Roberta